05.10.2016
Psiquiatra alerta deputados sobre o avanço do número de suicídios no RS
O presidente da Associação de Psiquiatria do Rio Grande do Sul (APRS), Flávio Shansis, apresentou na Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Assembleia Legislativa, uma análise dos índices de suicídio no Rio Grande do Sul. Enquanto, no Brasil, ocorrem cinco suicídios em cada 100 mil habitantes, no Estado as ocorrências superam dez no mesmo universo populacional. Já nas regiões dos vales do Taquari, Rio Pardo e Jacuí o índice é superior a 40 episódios em cada 100 mil habitantes, equiparando as três regiões aos maiores índices mundiais. “Há cidades gaúchas que registram 50 óbitos a cada 100 mil habitantes, ultrapassando a maior taxa mundial, que é da Guiana, e chega a 44,2 mortes por 100 mil pessoas”, comparou.

De acordo com o psiquiatra, o número de suicídios no Rio Grande do Sul pode ser ainda maior em decorrência da subnotificação. Ressaltou também que as estatísticas mostram que a maior parte das mortes ocorre por enforcamento nos pequenos municípios. “Questões ambientais, culturais e genéticas, reforçadas por casamentos consanguíneos, estão entre os fatores desencadeadores. Além disso, a falta de lítio na água é outra hipótese que devemos averiguar”, revelou.
Shansis defendeu a necessidade de verificar o nível de lítio, elemento químico encontrado na natureza e utilizado no tratamento de distúrbios de humor, especialmente do transtorno bipolar, da água consumida pela população. A proposta foi acolhida pelos parlamentares e, por sugestão do presidente da Comissão, Valdeci Oliveira (PT), será agenda uma reunião com a direção da Corsan para discutir o assunto. Além disso, o petista não descarta a possibilidade de apresentação de um projeto de lei para tornar a medição obrigatória nas localidades abastecidas por companhias municipais.

Prevenção
Para ir além do Setembro Amarelo, mês de prevenção ao suicídio, a APRS promove um conjunto de capacitações gratuitas intitulado “Ajudando pessoas com comportamento suicida e autolesivo”.

Voltados a profissionais de saúde de todo o Estado, principalmente da atenção básica e de serviços de urgência médica, os cursos, divididos em quatro subtemas, ocorrem nos dias 6, 13, 20 e 27 de outubro. As aulas serão presenciais, com possibilidade de acesso via Ensino a Distância. O objetivo é disseminar informações que ajudem a fazer o primeiro atendimento adequado e diminuir os riscos da autodestruição.

Audiência pública
No período da Ordem do Dia da reunião da Comissão de Saúde e Meio Ambiente, os deputados aprovaram requerimento, de autoria do deputado Valdeci Oliveira, para realização de audiência pública para debater o Relatório Detalhado de Prestação de Contas do 2º Quadrimestre de 2016 da Secretaria de Saúde, conforme Lei Complementar 141/2012.

Publicado por: Vanderlei Silva - Jornalista - Mtb. 13.349

Fonte: Rádio Encruzilhadense/Agência de Notícias ALRS